Guia de como calcular a rentabilidade de seu escritório de advocacia

A popularização do computador e a informatização da Justiça no Brasil jogaram definitivamente o advogado – e seus escritórios e bancas advocatícias – nos braços destas novas tecnologias. Mas, o advogado está preparado para, por exemplo, calcular a rentabilidade de seu escritório de advocacia?

 

A verdade é que este é o princípio de tudo neste novo mundo em que mergulhou o trabalho do advogado. Como qualquer empresa, os novos escritórios precisam investir muito para acompanhar a evolução e, de forma muito especial, não ficar para trás com o crescimento da concorrência.

 

Custos que impactam no faturamento

 

Esta a questão que os escritórios atuais, sejam os que estão sendo abertos agora pelos profissionais que chegam ao mercado ou aqueles já em funcionamento por décadas, precisam levar em consideração com urgência: é preciso crescer e, para isso, investir em tecnologia é fundamental.

 

Mas, como em qualquer empresa, é preciso ter lucro na atividade. Ainda são poucos os escritórios de advocacia que levam a sério este item da lucratividade do seu negócio, indispensável ao crescimento. Não são poucos os advogados-chefes de escritórios, também, que fazem sua retirada mensal sem o cálculo correto de quanto isto impacta no faturamento global. Estas retiradas, não em poucas vezes, podem comprometer a própria saúde financeira do empreendimento.

 

Agregar novos conhecimentos específicos

 

Esta, na verdade, é a nova palavra chave – empreendimento, empreendedores. Aos advogados atuais não basta o excelente conhecimento específico do Direito ou ser um excelente tribuno frente a juízes e tribunais. Esta época quase romântica do exercício da profissão, tipo o “Águia de Haia” Rui Barbosa, ficou para trás.

 

O advogado atual precisa completar-se com outros conhecimentos para o pleno exercício da profissão, entre os quais destacam-se o profundo conhecimento das novas tecnologias na área da informática, gestão de pessoal e administração financeira e, de forma muito especial, o marketing.

 

Precisa boa gestão do negócio

 

Embora o Código de Ética da profissão proíba a publicidade do negócio advocatício, a verdade é que, hoje, quem não correr atrás de clientes ficará inexoravelmente para trás. E foi exatamente a chegada da informática nos escritórios que está permitindo – e abrindo muitas portas – para esse trabalho de marketing, sem ferir o Código.

 

A grande questão para o novo advogado, portanto, é que ele precisa investir para agregar tecnologia ao seu escritório, treinar pessoal e ingressar num trabalho de gestão de negócios que implica, necessariamente, em ter boa rentabilidade no seu trabalho. Como investir se não sobra dinheiro no final do mês?

 

Melhorar a produtividade da equipe

 

Fica claro que será impossível manter o crescimento da banca e enfrentar e superar a concorrência – ou, no mínimo, acompanhar – sem um excelente programa de gestão de equipe e da empresa – a nova empresa em que se constituem os escritórios de Direito atuais.

 

Para isso, necessariamente precisará recorrer a um software jurídico, esta nova ferramenta que, cada vez mais, mostra-se indispensável ao trabalho do advogado. E isso não apenas por dar mais produtividade ao trabalho da equipe e acompanhamento processual, como, de maneira especial, por permitir um maior controle do trabalho interno e, com isso, o cálculo mais correto de quanto custa o seu trabalho.

 

O software jurídico é a solução

 

Ainda hoje muito advogado define o valor a ser cobrado por uma causa sem um cálculo correto dos custos que implicarão com os trabalhos dessa causa. Vai meio ‘pela cara’ do cliente, ou então, por um percentual do valor total a ser obtido em caso do êxito. Mas, e se os gastos para ganhar a causa superarem esses 20% do valor total da ação?

 

Um software jurídico faz o acompanhamento processual em todas as suas etapas, incluindo os gastos e custos inerentes ao processo. Com um click num botão de computador, o advogado poderá mostrar ao cliente os custos incorridos durante os trabalhos do processo e mostrá-los ao cliente. Sem falar que este – a cobrança – é sempre um momento delicado na relação do advogado com seu cliente.

 

Conhecer o rendimento do seu trabalho

 

Além de ter, portanto, a definição mais clara dos custos incorridos durante o andamento do processo, o advogado ainda ganha com esta facilidade ao mostrar ao seu cliente porque está cobrando aquele valor. É um ganho duplo.

 

Não conhecer o rendimento de seu trabalho causa muitos problemas ao advogado, podendo comprometer seriamente sua lucratividade – e, também, a rentabilidade do investimento realizado. Conhecer bem sua vida financeira é fundamental para o seu negócio.

 

Precisa ampliar pelos mais rentáveis

 

Por exemplo, entre os diversos segmentos da área do Direito atendidos pelo seu escritório de advocacia, você sabe qual é o mais rentável? Se tiver que dar preferência a um ou outro, qual você vai escolher? No momento em que o marketing jurídico começar a entrar em ação no seu escritório de advocacia, é fundamental escolher por qual segmento começar, portanto, é preciso conhecer a rentabilidade de cada um.

 

Isso também vale para a contratação de novos colaboradores, sejam advogados ou estagiários. Afinal, se você está optando pela expansão de sua empresa, é natural que escolha a ampliação pelos setores mais rentáveis – essa é a regra básica de qualquer negócio.

 

É preciso conhecer seus custos fixos

 

Além disso, antes de investir, é preciso saber qual é a lucratividade mensal do seu escritório de advocacia. Ou qual a rentabilidade esperada para um período maior, digamos, cinco anos. São cálculos que profissional especializado em gestão administrativa ou ciências contábeis poderá lhe ajudar a fazer. Mas, é indispensável conhecê-los.

 

Para calcular a lucratividade do seu negócio, é fundamental, de início, conhecer todos os custos fixos do seu escritório. Ai entram o aluguel, pessoal fixo, luz, telefone, materiais de expediente, custos de internet e computação e, claro, os investimentos programados. A soma disso tudo – e mais alguns que você possua – lhe dará o custo fixo.

 

Quanto custa a hora trabalhada

 

Sobre isso, é preciso ainda calcular o custo variável dos processos, o que varia em cada caso. Novamente surge a importância do software jurídico, que faz todos esses cálculos para você. A individualização desses custos por processos vai lhe ajudar a conhecer melhor o seu escritório e a definir, com clareza, quais segmentos são mais rentáveis no seu negócio.

 

Este conhecimento, a partir do software de gestão administrativa ou do software jurídico, vai lhe levar ao cálculo de quanto custa a hora média trabalhada em seu escritório. Pronto, você já estará apto a calcular com mais exatidão o custo a ser cobrado por determinado processo. É claro que você não saberá com exatidão quantas horas serão gastas com esse processo, mas, há um parâmetro para fixar o valor da causa. Você já está no caminho certo.

Escrito por easycase

Separamos esses artigos para você...

1 Comentário

  1. […] Veja também: Guia de como calcular a rentabilidade de seu escritório de advocacia […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *